Eu Serei Feliz quando ... | Entre Aspas

segunda-feira, 26 de junho de 2017

  • Podemos ser honestas por um momento? Uma vez que nenhum ser humano pode ler seus pensamentos, você poderia parar e realmente pensar? Você ainda tem uma lista do “eu serei feliz quando…”? Talvez você tenha aprendido a esconder isso. Mas, lá no fundo, você sabe do que eu estou falando? Talvez, como eu, você tem mantido essa lista por anos, e ela se parece mais ou menos assim:

    Eu serei feliz quando… 
  • • Eu conseguir uma “carinha feliz” no meu trabalho.
    • As garotas populares me chamarem para comer com elas.
    • Eu comprar o jeans da marca famosa.
    • Eu tirar 10 em tudo.
    • Aquele garoto me pedir para sair.
    • Eu conseguir aquela bolsa de estudo.
    • Eu sair de casa e ir para a faculdade.
    • Ele se tornar meu namorado.
    • Eu me formar na faculdade.
    • Eu conseguir o trabalho que quero.
    • Ele me pedir em casamento.
    • Nós tivermos o casamento perfeito.
    • Nós comprarmos uma casa.
    • Eu tiver um bebê.
    • Minha casa estiver limpa.
    • Nós pudermos comprar uma casa maior.
    • Eu perder 10 quilos.
    • Meu filho tirar 10 em tudo.
    • Minha filha entrar no balé.
    • Meu filho for o melhor atleta.
    • Meu filho entrar na melhor faculdade.
    • Meu marido conseguir aquele aumento.
    • Meu marido perder 5 quilos.
    • Meu marido me tratar melhor.
    • Minha aposentadoria estiver garantida.
    • Eu conseguir aquele carro conversível.
    • Eu conseguir um creme de rugas melhor.
    • Eu tiver um neto.

    E a lista continua…

    A cereja do bolo
    Não me entenda mal – há coisas muito boas na minha lista, e eu aposto que na sua também. Entretanto, essas doces coisas, assim como a cereja do bolo, sempre nos satisfazem apenas temporariamente e não foram feitas para nos “encher” ou nos satisfazer contínua e enternamente – inclusive aquelas coisas boas como nossos maridos, filhos e ministério. Apenas uma relação real e diária com Deus do tipo “corra-para-Ele” pode fazer isso – e essa não é exatamente a resposta da “garota-da-igreja”, não é mesmo? Lá no fundo, você sabe que isso é verdade.
    Mas, às vezes, nós saímos do rumo.
    Nós frequentemente checamos alguma coisa da lista apenas para colocar outra coisa no lugar, ou nos achamos levando outra pessoa à loucura na tentativa de “consertá-la” para que ela nos satisfaça (como nossos maridos). Acredite, eu já tentei fazer isso. E você?

  • A verdade é que essas coisas boas que nós desejamos sempre serão apenas a cereja do bolo, e mesmo que você consiga “consertar” seu marido, ele não pode fazer por você aquilo que apenas Deus consegue! Deus é o próprio bolo – a única fundação em que nós podemos realmente nos satisfazer.

    Se nós não pararmos ocasionalmente e nos atentarmos a isso, nós podemos nos achar tentando comer a cereja o tempo todo, comprometendo não só nossos estômagos, como nossa felicidade, que será apenas temporária e passageira.

    Encontrando a verdadeira satisfação
    Então o que nós fazemos? Nós precisamos lembrar que somos carne e, por causa disso, pedir frequentemente a Aquele que nos conhece melhor que nós mesmos para nos mostrar quando as coisas saírem de ordem. Mesmo depois de nós conhecermos o Senhor, continuamos tendo uma carne que é facilmente pega gastando muito mais energia em coisas temporárias e se esquecendo das eternas. Nós somos “propensos a nos perder, Senhor, eu sinto isso. Propensos a deixar o Deus que eu amo” . Mas, felizmente, nós temos um Deus paciente que é cheio de graça e mais do que capaz de nos ajudar a voltar a achar nossa satisfação n’Ele.
  • Talvez esse texto seja seu lembrete de que qualquer pessoa ou coisa que você coloque como fonte da sua auto-estima e satisfação – muito longe do incrível Salvador que deixou um trono no céu para vim te resgatar – irá falhar miseravelmente. Por causa de Jesus, seu valor já é muito maior que o de rubis sem que qualquer coisa precise ser adicionada na sua lista. Nenhuma dessas coisas que almejaremos na nossa caminhada rumo céu – mesmo as coisas boas ou as relações terrenas como maridos tementes e doces filhos – determinam nosso valor ou nos satisfazem eterna e perfeitamente como Jesus. Elas não determinam. Elas não podem ou conseguem. Fim de papo. Você sabe que isso é verdade.

    É legítimo ter sonhos, mas nós precisamos entender que qualquer sonho terreno está sujeito a falhar, a se desvanecer ou a ser esquecido. Entretanto (e esta é a grande questão), quando nós vivermos nossas vidas com uma perspectiva eterna, com uma visão mais abrangente e com o constante objetivo de buscar continuamente a Deus e dar glória a Ele acima de todas as coisas – isto é, quando Ele for a fundação da nossa verdadeira satisfação – nós perceberemos que não iremos desmoronar quando algo da nossa lista de coisas temporárias desse mundo não der certo.

    Pessoas que sabem disso, pessoas que vivem isso, são aquelas que podem andar no meio do fogo e não cheirarem à fumaça. Essas também são aquelas que podem ir ao “drive-thru” e não perderem a calma quando o pedido for confundido! O fato sério é que quando nós lembramos nosso primeiro amor e vivemos nossas vidas buscando Ele e Sua glória sobre todas as coisas, os dias bons serão apenas mais doces. Não apenas isso, mas quando os dias ruins vierem, nós estaremos bem, porque saberemos que essa vida não é tudo o que há. As coisas aqui irão se desvanecer, e um dia nossa fé se tornará visível.
  • Oh… um dia! Um glorioso dia! Até lá, que nossas orações sejam assim: “Mas o que, para mim, era lucro, isto considerei perda por causa de Cristo. Sim, deveras considero tudo como perda, por causa da sublimidade do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor; por amor do qual perdi todas as coisas e as considero como refugo, para ganhar a Cristo e ser achado nele, não tendo justiça própria, que procede de lei, senão a que é mediante a fé em Cristo, a justiça que procede de Deus, baseada na fé; para o conhecer, e o poder da sua ressureição, e a comunhão dos seus sofrimentos, conformando-me com ele na sua morte; para, de algum modo, alcançar a ressureição dentre os mortos.  Não que eu o tenha já recebidi ou tenha já obtido a perfeição; mas prossigo para conquistar aquilo para o que também fui conquistado por Cristo Jesus. Irmãos, quanto a mim, não julgo havê-lo alcançado; mas uma coisa faço: esquecendo-me das coisas que para trás ficam e avançando para as que diante de mim estão, prossigo para o alvo, para o prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus. Todos, pois, que somos perfeitos, tenhamos este sentimento; e, se, porventura, pensais doutro modo, também isto Deus vos esclarecerá. Todavia, andemos de acordo com o que já alcançamos.”
    (Fp 3:7-15) 

  • ~ Kim Jaggers
    Publicado anteriormente no blog: Mulheres Piedosas

Nenhum comentário

Enviar um comentário

 
Desenvolvido por Michelly Melo.